Ouça agora na Rádio

Ouça agora

Terreno da Planta de Amônia em Uberaba está à venda por mais de R$ 8 milhões

Obras estão suspensas desde de 2015 — Foto: Prefeitura de Uberaba/Divulgação

Postado em 2 de junho de 2021 por

Compartilhar agora

Anúncio foi divulgado pela MGI, estatal vinculada à Secretaria de Estado de Fazenda. Fábrica de amônia foi um projeto da Petrobras para alavancar a produção de fertilizantes em uma das principais regiões agrícolas do país, mas foi suspenso em 2015.

O terreno onde seria instalada a Unidade de Fertilizantes Nitrogenados V (UFN-V), conhecida como Planta de Amônia, em Uberaba, está à venda pelo valor de R$ 8.181.000,00. O imóvel, que fica no Distrito Industrial III, tem quase 1,1 milhão de metros quadrados, com mais de 4 mil metros quadrados de área construída. O anúncio da venda foi divulgado no site da MGI, estatal controlada pelo governo de Minas Gerais e vinculada à Secretaria de Estado de Fazenda (SEF-MG).

Conforme anunciado, “a região onde se encontra o terreno é dotada de todos os melhoramentos públicos e serviços comunitários, quais sejam, abastecimento d’água, rede de esgoto, energia elétrica em alta e baixa tensão, rede de águas pluviais, iluminação pública, rede de telecomunicações, pavimentação asfáltica, guias e sarjetas, arborização, transporte coletivo, serviços públicos de coleta de lixo, segurança pública, dentre outros”.

Os interessados têm até o dia 15 de julho para enviar propostas.

Planta de Amônia

A UFN-V, conhecida como fábrica de amônia, foi um projeto da Petrobras para alavancar a produção de fertilizantes em uma das principais regiões agrícolas do país.

A construção, anunciada em agosto de 2013, seria feita pelo consórcio Toyo Setal Fertilizantes, que tinha firmado um contrato com a Petrobras no valor de mais de R$ 2,1 bilhões. A obra seria custeada por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Em 2014, a obra chegou a ser batizada e recebeu até uma pedra fundamental, mas, após iniciada a construção, foi suspensa em julho de 2015.

Em outubro de 2017, a Petrobras anunciou o leilão dos equipamentos da UFN-V. Um mês depois, o Ministério Público Federal (MPF) recomendou ao então presidente da Petrobras, Pedro Parente, que suspendesse o pregão.

Porém, no início de 2018, o MPF comunicou ao presidente da Petrobras que retirou a recomendação, pois concluiu que o leilão seria realizado para minimizar o dano ao erário causado pelo cancelamento do projeto e acabar com os custos correntes com a manutenção do local.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), relatórios indicam que 37,76% das obras físicas foram concluídas e foram gastos mais de R$ 649 milhões na UFN-V, equivalente a 33,12% do total destinado para o projeto. No entanto, um relatório divulgado ao mercado em 2016 pela Petrobras reconheceu perdas no valor de US$ 190 milhões no que diz respeito à unidade.

O pregão, que estava previsto para ocorrer inicialmente em novembro de 2017, foi adiado para janeiro de 2018, mas não foi realizado devido à implantação de melhorias no Portal Petrocnet, site em que ocorreria o processo. Então, o leilão foi marcado novamente para os dias 20, 21 e 22 de fevereiro de 2018. Porém, como não houve nenhum lance, foi remarcado para os dias 20, 21 e 22 de março daquele ano.

No local, ainda há equipamentos para serem leiloados, no valor de R$ 19 milhões de reais.

Fonte: G1

Deixe um comentario

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.